A rebelião de pastores contra a Igreja Universal do Reino de Deus em Angola continua repercutindo, e um porta-voz do movimento reitera acusações de racismo e evasão de divisas, além de apontar a figura do bispo Honorilton Gonçalves como o principal fator de insatisfação entre as lideranças angolanas.

Ao todo, a Igreja Universal possui 220 filiais no país africano, sendo que atualmente 110 estão sob o controle dos 320 pastores rebeldes à instituição. O obreiro Dinis Bruno, um dos integrantes do movimento que se valeu até de violência na tomada dos templos, concedeu uma entrevista em que reiterou acusações antigas, como a exigência de vasectomia para ser parte do quadro de pastores.